Saúde e Segurança do Trabalho
ACGIH – Definições de Saúde e Segurança do Trabalho

ACGIH – Definições de Saúde e Segurança do Trabalho

Uma das melhores formas de manter-se atualizado dos avanços que acontecem na área de saúde e segurança no trabalho é acompanhar de perto a ACGIH e suas publicações. Mas ainda há muitos profissionais que mal sabem do que se trata e qual é a importância desta instituição …

Para ajudar você a entender um pouco melhor, este artigo traz algumas informações importantes, que deveriam ser mais difundidas do que são.

O que é a ACGIH?

ACGIH é a sigla para American Conference of Governmental Industrial Hygienists. Em tradução livre, podemos chamar de Conferência americana de higienistas industriais. Trata-se de uma instituição privada, sem fins lucrativos, formada por membros que ocupam cargos de higienistas ocupacionais e outros profissionais diversos de saúde e segurança do trabalho.

A instituição é patrocinada e mantida por outras instituições governamentais e também educacionais presentes nos Estados Unidos. A ACGIH se dedica à pesquisa e análise das práticas da área e disponibiliza diversas publicações que facilitam de forma considerável o dia-a-dia de quem atua profissionalmente em contato com substâncias químicas. Mas mesmo com sua considerável importância no setor, não é um órgão regulador, portanto não publica normas.

Quais normas regulamentadoras utilizam a ACGIH?

Conforme mencionei, a ACGIH não é reguladora, mas sim publica estudos referentes à saúde e segurança no trabalho. Dentre estas publicações, as mais conhecidas e importantes são chamadas de Threshold Limit Values (TLV) – referente às diversas substâncias e agentes químicos – e Biological Exposure Indices (BEI), referente aos índices de exposição a agentes biológicos.

Estas publicações de TLVs e BEIs apresentam valores de limites de exposição para cada substância química e agente biológico, sendo que é a opinião dos profissionais da instituição – baseados sempre nos últimos estudos técnicos e científicos – de que a exposição até estes valores ou abaixo destes, não coloca a saúde do trabalhador em risco.

Estes estudos são tão importantes, que muitas vezes acabam sendo utilizados em normas oficiais aplicadas à SST, como:

  • NHO 08 – Procedimento técnico da Fundacentro para coleta de material particulado sólido suspenso no ar de ambientes de trabalho, adotou como referência o critério armonizado pela ACGIH, pela ISO (International Organization for Standarization) e pelo CEN (Comité Européen de Normalisation);
  • NR 9 – No item 9.3.5.1 c, recorre à ACGIH para limites de exposição que não estejam presentes na NR 15;

Qual a origem da ACGIH?

A ACGIH nasceu em 27 de junho de 1938, em Washington, quando foram convocados os primeiros representantes da indústria de higiene norte americana.  Na ocasião, chamava-se NCGIH (National Conference of Governmental Industrial Hygienists). Ela consistia de 76 membros representando 24 estados, três cidades, uma universidade, o serviço de saúde pública americano, a agência de minas americana, e a autoridade do vale do Tennessee.

No início, era possível que somente 2 representantes de cada indústria fizessem parte da NCGIH. Posteriormente, no ano de 1946, ela mudou de nome – adotando o atual ACGIH – e convidou os demais profissionais de higiene industrial das agências, bem como profissionais de higiene industrial de outros países.

Atualmente, todos os profissionais que atuam na área de saúde e higiene industrial, saúde ocupacional, segurança do trabalho e saúde ambiental, em todo o mundo, estão convidados a participarem também.

Higienistas Ocupacionais Desenvolvendo Pesquisas

Qual a importância da ACGIH na Saúde e Segurança do Trabalho?

Por mais de 75 anos a instituição cresceu e se tornou cada vez mais respeitada ao redor do mundo, por suas publicações sérias e voltadas para a melhoria das condições de trabalho dos trabalhadores comumente expostos a riscos ambientais, especialmente riscos químicos e biológicos.

A ACGIH é reconhecida no mundo todo como autoridade em higiene ocupacional, e suas publicações são sempre levadas em consideração para a criação e atualização de normas de trabalho já existentes em todo o mundo, principalmente na área da indústria.

Os estudos sendo constantemente desenvolvidos pelos membros da instituição fazem dela a principal fonte de avanços referentes aos riscos presentes nas indústrias – e em outros ambientes de trabalho em que existam os agentes estudados, consequentemente.

Assim, é de vital importância que as informações divulgadas por ela sejam devidamente utilizada no Brasil, também – como podemos ver na NR 9 e NHO 08 -, vez que elas são fruto de pesquisas sérias, sempre utilizando critérios puramente técnicos, e devem ser cruciais na determinação de quaisquer limites de exposição a serem adotados pela legislação.

Publicações

Além das publicações de TLVs e BEIs, a instituição também apoia diversas instituições educacionais. Voltadas ao estudo de melhorias nas condições de trabalho, oferecem educação à distância, workshops, cursos e simpósios.

As publicações mais conhecidas da ACGIH são a TLV e BEI, mas a instituição publica ainda mais de 400 títulos voltados a diversos temas, abordando:

  • Higiene industrial
  • Saúde ambiental
  • Segurança e saúde na ciência
  • Toxicologia
  • Materiais perigosos
  • Agentes físicos
  • Qualidade do ar no ambiente de trabalho
  • Ergonomia
  • Educação à distância
  • Entre outros.

E você, o que acha de uma maior utilização da ACGIH no Brasil? Compartilhe sua opinião, deixe um comentário!

Facebook Comments

7 Comentários


  1. Cleibia acarvalho Rios

    12 de novembro de 2015 at 11:52

    Realmente a ACGIH é muito importante para nós que zelamos da saúde do trabalhador……

    Reply

  2. Gian

    17 de novembro de 2015 at 23:47

    Olá caros prevencionistas
    A ACGIH é uma instituição seria e que merecia ser usada com mais frequência em mais paises.
    E tudo o que venha agregar ajuda no que diz respeito a evitar acidentes ou doenças ocupacionais são bem vindos.
    Não há muita informação sobre a ACGIH em sites brasileiros. Artigos como esse chamam muito atencão.

    Ótimo artigo André.

    Att,
    Gian

    Reply

    • Eder

      7 de novembro de 2017 at 16:10

      Sim Gian…. o Brasil como sempre sai em atraso na materia de segurança e saúde do trabalho vou te dar dois exemplos de trabalhos que realizei recentemente: 1) Numa multinacional aplicar palestra de ergonomia em uma empresa cuja NR-17 ja não alcança os patamares desta empresa, a maioria dos meus recursos foram advindos da faculdade de ergnomia da Belgica so pra falar de Cognição. 2) O conceitos dos riscos ocupacionais ainda serem tratados pela nr9 APENAS COMO FISICO, QUIMICO E BIOLOGICO quando temos os ergonomicos e de acidentes.

      Reply

  3. Manuela cerqueira

    11 de Fevereiro de 2016 at 17:02

    séria ótimo! porque algumas empresas brasileiras deixam a desejar em termos de medidas prevencionistas pra com á saúde de seus colaboradores no ambiente de trabalho.é muito legal seu trabalho André que Deus te abençoe cada vez mais.

    Reply

    • André Chaves

      11 de Fevereiro de 2016 at 22:44

      Realmente, a situação no Brasil (ainda) não é boa…
      A culpa, na minha opinião, é principalmente:
      1- Da legislação defasada;
      2- Da fiscalização insuficiente;
      Infelizmente, a mentalidade do empresariado brasileiro é de só fazer aquilo que é forçado – e também infelizmente, eles muitas vezes são obrigados a agir assim, pra suportar o famoso custo Brasil, sem perder competitividade. Temos MUITO trabalho pela frente.
      E obrigado! Deus te abençoe também!

      Reply

  4. Daiana Silva

    12 de Março de 2016 at 22:15

    Parabéns André, muito bacana seu artigo. Realmente, temos muito que melhorar no quesito prevenção..Infelizmente o Brasileiro só se preocupa depoi do ocorrido, quando, muitas vezes já é tarde. Isso quando cumpre os critérios mínimos estabelecidos em cada NR, no mais…Ficam de braços cruzados para reter gastos e custos.

    Reply

  5. Rubens

    24 de Janeiro de 2017 at 15:21

    Parabéns André, acabei de ler o seu artigo e achei muito interessante. Realmente, o Brasil tem que melhorar muito a integridade física e saúde dos trabalhadores como deveria.

    Reply

Deixe uma Resposta

Seu endereço de email não será publicado.Campos obrigatórios estão marcados *

E-Book Grátis

Acessar o E-Book Grátis

Sobre André Chaves


Engenheiro Ambiental com pós graduação em Engenharia de Segurança pela Universidade Fumec, presto consultoria na área de Segurança do Trabalho e Saúde Ocupacional. Acredito na aplicação da SST nas empresas de forma a oferecer o máximo de segurança aos trabalhadores, sem que isto onere demasiadamente os empregadores.