Dicas do Protegildo - Revista Proteção, Saúde e Segurança do Trabalho
Protegildo Contra o Assédio Sexual

Protegildo Contra o Assédio Sexual

De acordo com a OIT, uma em cada quatro mulheres sofre ou sofrerá de assédio sexual no trabalho, seja por meio de comentários, gestos, disposição de imagens ou atitudes com conotação sexual indesejada.

Embora elas sejam as vítimas preferenciais do abuso, homens também podem ser alvos.

Aprenda a reconhecer e agir diante de uma situação de assédio sexual no ambiente laboral.

O que é?

O assédio sexual no trabalho refere-se a um ato verbal ou físico de cunho sexual que pode acontecer durante uma entrevista de emprego ou no local de trabalho, seja por parte de um superior, colega de trabalho, cliente ou usuário, tornando o ambiente hostil e constrangedor.

Dá-se por meio de piadas com natureza sexual, convites contínuos para jantares mesmo após a sua rejeição, contato físico desnecessário, etc.

Além do objetivo mais claro de obter favores sexuais, o assédio sexual também visa desqualificar a vítima como profissional, transformando-a apenas num objeto de desejo.

Quais as consequências?

Psicológicas

  • Fragilidade;
  • Culpa;
  • Tensão;
  • Raiva;
  • Depressão

Biológicas

  • Insônia;
  • Dores musculares e de cabeça;
  • Ânsia de vômito;
  • Pressão alta;
  • Mudança no peso;
  • Fadiga.

assedio sexual

O que fazer?

  • Não se culpe pelo ocorrido. Diga claramente “não” às investidas;
  • Conte para os(as) colegas de trabalho o que está acontecendo. Descubra qual deles estaria disposto a servir como testemunha do assédio;
  • Reúna provas como bilhetes, presentes, registros telefônicos, emails e, se possível, dados pessoais do agressor. Isso será útil caso uma denúncia na delegacia de polícia se torne necessária;
  • Faça uso do sistema de recurso interno da empresa para apresentar uma queixa formal;
  • Caso a administração da empresa não tome uma atitude para resolução do problema, uma ação judicial poderá ser movida contra o assediador e a contratante;
  • Procure as organizações governamentais e não governamentais pertinentes para apoio e assistência jurídica.

 

Fonte: Revista Proteção, Dicas do Protegildo.

Um Comentário


  1. Edson Carvalho da Silva

    19 de dezembro de 2016 at 15:31

    André,

    Parabéns pelo artigo e o assunto é totalmente providencial e serve para ser tratado direto nos diálogos diários de segurança e saúde DDS essa ferramenta inibi o praticante do assedio.

    Reply

Deixe uma Resposta

Seu endereço de email não será publicado.Campos obrigatórios estão marcados *

E-Book Grátis

Sobre André Chaves


Engenheiro Ambiental com pós graduação em Engenharia de Segurança pela Universidade Fumec, presto consultoria na área de Segurança do Trabalho e Saúde Ocupacional. Acredito na aplicação da SST nas empresas de forma a oferecer o máximo de segurança aos trabalhadores, sem que isto onere demasiadamente os empregadores.