Negligência, Imprudência e Imperícia: Saiba TUDO sobre elas AGORA!

Negligência, Imprudência e Imperícia

Negligência, imprudência e imperícia são termos muito semelhantes.

Mas são termos que possuem diferenças cruciais e consequências importantes dentro da atuação dos profissionais de saúde e segurança do trabalho.

Nas situações em que verificamos a ocorrência de qualquer um desses três institutos, há risco para os trabalhadores envolvidos na atividade, para os demais profissionais presentes no local e muitas vezes, para os usuários dos serviços ou produtos após eles estarem finalizados.

Negligência, imprudência e imperícia são modalidades de culpa.

Conduta culposa, é a prática não intencional de provocar um dano.

O dano acaba sendo provocado pois falta ao indivíduo o dever de atenção e cuidado!

Só há crime culposo quando expressamente previsto em lei (art. 18, parágrafo único, CP).

Existem dois tipos de culpa: culpa consciente e culpa inconsciente.

Na culpa consciente a pessoa prevê o resultado de um dano, mas acredita que ele não vai acontecer.

Na culpa inconsciente a pessoa não prevê o resultado de um dano por falta de atenção.

Negligencia

Negligência

Negligência é a falta da atenção devida, como por exemplo: não observar a rua enquanto dirige-se o carro.

A negligência é resultado da omissão do indivíduo – profissional, empregador, autoridade pública, etc.

É a passividade do agente em uma situação que origina determinado resultado, sendo que era esperado dele a realização de alguma ação.

Algumas definições também consideram como negligência a falta de cuidado ou a desatenção na execução de uma determinada tarefa, assim como a indiferença.

Tendo o conhecimento técnico e sabendo da situação, o profissional de segurança do trabalho e o empregador devem tomar as medidas necessárias para garantir a segurança do trabalhador.

Da mesma forma o trabalhador, quando devidamente treinado e orientado, está legalmente obrigado a cumprir as exigências de segurança na sua função.

Exemplos de Negligência

Um bom exemplo de negligência é a falta de manutenção preventiva de máquinas e equipamentos.

Seja um veículo, como carro, moto ou caminhão, ou uma máquina dentro de uma linha de produção, todos os equipamentos necessitam de revisões e manutenções periódicas, de acordo com o uso e orientações do fabricante.

Se essas manutenções não forem realizadas com a periodicidade adequada, o equipamento pode ser danificado seriamente pelo uso, possivelmente causando acidentes de diversas proporções.

Outra situação de negligência que os profissionais de segurança do trabalho estão sujeitos na sua rotina é com relação ao uso de equipamentos de proteção individual.

O uso desses equipamentos é necessário em determinadas circunstâncias para a proteção da saúde e/ou integridade física do trabalhador, mas requer a vigilância e fiscalização tanto do SESMT quanto da CIPA.

Nos casos em que os trabalhadores não estejam utilizando de forma adequada os EPIs, e os responsáveis não estejam orientando a esse respeito, é caracterizada negligência.

Também é negligente o profissional ou a empresa que não adquire equipamentos de proteção em quantidade suficiente ou no prazo necessário para evitar desabastecimento.

Imprudencia

Imprudência

Imprudência é a conduta precipitada: dirigir carro em excesso de velocidade.

Enquanto em uma situação de negligência o erro está em ser omisso (não fazer), na imprudência o erro está justamente na ação realizada, porém sem a devida cautela e sensatez que a situação exige.

O risco envolvido é conhecido, mas as medidas de segurança ou não são tomadas ou são realizadas sem o rigor necessário.

O profissional ou a instituição nesse caso não deixam de fazer algo, mas o faz de forma precipitada e muitas vezes apressada.

Caso algo saia do esperado, o resultado pode também ter consequências inesperadas.

O trabalhador que realiza as tarefas também devem observar as determinações de segurança, conforme orientação e/ou treinamento.

Caso o colaborador não cumpra essas determinações, estará cometendo também um ato de imprudência.

Exemplos de Imprudência 

A falta de EPI e de orientação caracteriza negligência do profissional de segurança do trabalho.

Entretanto, caso esses equipamentos e orientações sejam disponibilizadas, e ainda assim o trabalhador realizar suas atividades sem proteção, então ele passa a ser imprudente.

Da mesma forma, existem casos de urgência onde é necessário, por exemplo, utilizar plataforma elevatória para reparos no telhado de um galpão.

Por pressa ou outro motivo, o trabalhador não utiliza cinto de segurança ou não o fixa adequadamente.

Temos então um caso de imprudência.

Também é imprudente o operador de empilhadeira que circula pelos corredores da empresa em velocidade acima da compatível com o local.

Impericia

Imperícia

Imperícia é a falta de habilidade técnica: não saber dirigir o carro.

Assim como nas situações de imprudência, quando existe a imperícia o ato condenável está na ação, e não na omissão.

A imperícia é verificada quando uma atividade é realizada por um profissional sem a devida qualificação e treinamento, sem aptidão teórica ou prática.

O profissional não tem os conhecimentos básicos para execução da atividade proposta.

Sendo assim, ele assume um risco a ele e às outras pessoas.

A imperícia nas atividades pode levar a acidentes durante e depois das atividades, gerando responsabilidade civil e criminal ao profissional que realizou os trabalhos.

ExemploS de Imperícia

Qualquer trabalhador que estiver executando uma atividade para a qual não está qualificado está agindo com imperícia.

Podemos citar, por exemplo:

  • A operação de empilhadeiras por trabalhador sem curso específico;
  • Abertura e manuseio de painéis elétricos por pessoa sem a capacitação requisitada pela NR 10;
  • Realização de primeiros socorros a pessoa acidentada sem treinamento para tal.

Por outro lado, o profissional que tem a formação esperada para o desempenho de determinada atividade também está sujeito a cometer um ato de imperícia.

Isso ocorre caso execute alguma tarefa que necessita de orientação específica, e ela não lhe foi apresentada.

Por exemplo, um operador de máquinas que é escalado para operar um equipamento semelhante, porém com tecnologia mais atual e com funções que ele desconhece.

O trabalhador nesse caso, precisa ser treinado na máquina que irá operar.

Caso não seja e opere o equipamento sem o treinamento específico, estará cometendo um ato de imperícia.

Lembrando que o fato de o trabalhador saber executar o serviço, apesar de não ter a qualificação obrigatória, não é aceito como justificativa em caso de eventuais acidentes ou processos.

Negligencia, imprudencia, impericia e dever de cuidado

Conclusão

Negligência, imprudência e imperícia são três consequências de um mesmo fator: falta de profissionalismo.

A negligência acontece quando o profissional se omite, sabendo que deveria tomar alguma atitude, enquanto que a imprudência e a imperícia acontecem com a ação.

A imprudência acontece quando as medidas de segurança necessárias são tomadas de forma apressada ou incompleta.

A imperícia é realizada pelo profissional que realiza alguma atividade, mas não tem formação ou conhecimento básico para fazê-lo, colocando a si mesmo e aos outros em risco.

O profissional de segurança do trabalho, com sua formação prevencionista e suas atribuições legais voltadas à proteção da saúde dos trabalhadores e dos bens materiais da empresa, não pode em nenhuma hipótese omitir-se nas situações necessárias.

Tampouco pode cometer negligência em suas atividades, ou permitir que alguém o faça quando o assunto for a segurança no ambiente de trabalho.

Da mesma forma, não se pode permitir na execução das tarefas, rotineiras ou não, atitudes imprudentes – independente de quem o faça.

Assim, atos de imprudência devem ser identificados e interrompidos.

Os envolvidos devem ser orientados, juntamente com outros trabalhadores que eventualmente irão realizar a tarefa onde ocorreu a imprudência.

Por fim, é dever do empregador e do profissional de segurança do trabalho zelar para que não haja imperícia na realização de qualquer atividade, desde as mais simples até as mais complexas.

Manter os treinamentos em dia, analisar os documentos que comprovem as titulações dos trabalhadores e verificar se os mesmos possuem as aptidões necessárias para realização das atividades são atitudes que podem reduzir ao mínimo eventuais danos.

E você, já presenciou alguma situação de negligência, imprudência e imperícia? Participe, deixe seu comentário abaixo!

Compartilhe